Arsenal farmacoterapêutico disponível para o tratamento de ansiedade generalizada: revisão farmacológica e clínica

Amanda Nagem Morales Vitoraz, Adriana Avila Beltramo, Rafael Guzella de Carvalho, Flávia de Sousa Gehrke, Renato Ribeiro Nogueira Ferraz, Francisco Sandro Menezes Rodrigues

Resumo


Introdução: Papel importante para a sobrevivência, a ansiedade é um artefato fisiológico que garante a preparação para enfrentamento de situações desafiadoras e súbitas. Entretanto, quando excessiva, torna-se patológica, gerando assim transtornos de ansiedade. O transtorno de ansiedade generalizada causa limitações tanto físicas quanto psicológicas em pacientes, já que há o descontrole da perturbação gerada pela ansiedade. Alterações cardiológicas, endocrinológicas, neurológicas e diversas como insônia, gastrite, e SIADH acompanham a evolução dessa doença, que requer atenção e tratamento apropriado. Objetivo: A fisiopatologicamente o Transtorno de Ansiedade Generalizada, bem como o tratamento farmacológico e a forma de atuação dos medicamentos utilizados no tratamento. Metodologia: Revisão bibliográfica por meio da pesquisa de artigos e revistas científicas nas bases de dados PUBMED, Google Acadêmico e SCIELO, utilizando os seguintes descritores: ansiedade generalizada, transtorno de ansiedade, alterações fisiológicas, fisiopatologia da ansiedade, farmacoterapia. Conclusão: Os barbitúricos são a classe de fármacos ansiolíticos mais antiga no que se refere ao TAG, no entanto, atualmente, não é mais utilizada com este fim devido ao surgimento de fármacos mais seguros e efetivos como, por exemplo, os benzodiazepínicos e inibidores da recaptação de serotonina, os quais são os fármacos mais indicados para o tratamento da TAG.

Palavras-chave


Ansiedade; Fisiopatologia; Patologia; Transtorno de Ansiedade; Farmacoterapia; Farmacologia

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.