O Papel da Gestão da Farmácia Hospitalar na Alta Qualificada de Acordo com as Políticas de Humanização do SUS
PDF

Palavras-chave

Farmácia Hospitalar
Gestão
Humanização
SUS

Como Citar

Giacomini, K. P., & Liberal, M. M. C. de. (2015). O Papel da Gestão da Farmácia Hospitalar na Alta Qualificada de Acordo com as Políticas de Humanização do SUS. International Journal of Health Management Review, 2(2), 21–43. https://doi.org/10.37497/ijhmreview.v2i2.65

Resumo

Embora a Política de Humanização do SUS não tenha contornos claramente definidos, sabe-se que o tratamento não ocorre apenas quando o paciente se encontra internado, nem termina quando este deixa a internação, mas se estende após a alta hospitalar. Nesse caso, deve ter seu tratamento continuado no ambiente extra-hospitalar, em ambiente domiciliar, sob a supervisão e acompanhamento de um responsável pela medicação, nesse caso, o próprio farmacêutico hospitalar, que lhe deve fornecer orientação até que o quadro se estabilize. A não execução desse tipo de ação pode comprometer a continuidade do tratamento do paciente por meio da interrupção da administração de medicamentos, como erros na administração dos medicamentos, como dose errada, o não respeito aos horários para a administração dos medicamentos, ou mesmo a substituição inadvertida de algumas drogas por outras efetuadas pelo paciente. A humanização da assistência farmacêutica, dentro do contexto das políticas de humanização do SUS, interfere, pois, no processo de produção de saúde e pode ser decisiva na recuperação do paciente. Quando se considera o papel da gestão da farmácia hospitalar, os resultados apontam para o uso racional de medicamentos, possibilidade de maior eficácia na recuperação do paciente em alta qualificada, acesso aos medicamentos e à informação sobre eles, verificação de respostas aos medicamentos ou possíveis efeitos colaterais, reações adversas, interação medicamentosa, se necessária, revisão de prescrições adotadas.
https://doi.org/10.37497/ijhmreview.v2i2.65
PDF

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:

O(s) autor(es) autoriza(m) a publicação do texto na da revista;

O(s) autor(es) garantem que a contribuição é original e inédita e que não está em processo de avaliação em outra(s) revista(s);

A revista não se responsabiliza pelas opiniões, idéias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es);

É reservado aos editores o direito de proceder a ajustes textuais e de adequação às normas da publicação.

Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.

Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.

Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do Acesso Livre) em http://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html